Brasileirão feminino derruba audiência da Globo: e agora twitteiros?

Publicado :

O Brasileirão feminino estreou na fase das quartas de final da Globo, e o resultado foi uma audiência 43% a menos do que o habitual. O fracasso assusta os patrocinadores, que acreditam na estratégia da emissora em reduzir custos e focar numa estratégia politicamente correta. Entenda detalhes aqui.

O que fazer com o futebol feminino? A Rede Globo resolveu aceitar a pressão dos tempos e cedeu espaço em sua programação: A Copa do Mundo Feminina será transmitida (ainda que praticamente de madrugada) e o Brasileirão Feminino começou no último domingo. O resultado disso foi uma audiência 50% menor para a emissora.

Queda Livre

Os números não negam. A transmissão foi 43% menor do que a partida entre times masculinos. A informação foi cedida pelo Ibope Kantar. A partida entre São Paulo e Palmeiras (1 x 1) registrou somente 13 pontos na audiência, enquanto as emissoras concorrentes viram seus números subirem, em comparação ao fim de semana anterior. Além disso, os canais ESPN e SporTV, responsáveis por transmitir a Liga das Nações, viram rechear a sua audiência, com um público que bateu em retirada do sinal da TV Aberta.

Futebol Feminino é ‘marba’

Há quem diga que a decisão da Globo não passa apenas pelas pressões advindas da internet, de equidade e empoderamento feminino. Segundo especialistas, essa é uma estratégia financeira também, já que o futebol feminino é ‘marba’: é muito ‘marbarato’ do que o tradicional, jogado por homens. Dessa forma, pode-se investir em publicidade e pagar de preocupada com a agenda mundial, fazendo descer ‘guela abaixo’ a ideia de que o brasileiro precisa se interessar por futebol feminino.
Vale lembrar que, para a Copa do Mundo Feminina, a acontecer em julho na Austrália e Nova Zelândia, a emissora vai mandar o mínimo de profissionais, e as partidas serão narradas de dentro do próprio estúdio Globo: muito diferente de toda parafernalha enviada paras as Copas do Mundo masculinas.

E os anunciantes

Quem sai prejudicado são os anunciantes, que confiam na estratégia do canal de reduzir custos enquanto fazem a linha de politicamente corretos. Teóricos em futebol e mídia acreditam que é preciso continuar insistindo, uma vez que toda essa abertura ainda é muito recente, não havendo nenhuma cultura de consumo dessa modalidade sendo jogada entre mulheres. De qualquer forma, a rejeição passa pela economia, desinteresse e até preconceito. Esporte e Mídia segue na análise dos dados do futebol feminino e volta a qualquer momento com novidades.

Siga a Seleção Brasileira Feminina no Twitter e fique inteirado sobre tudo o que acontece no mundo do futebol das garotas:

Ajude Esporte e Mídia a seguir crescendo! Colabore com sugestão de pautas e notícias para serem publicadas no site.

notícias

1 comentário em “Brasileirão feminino derruba audiência da Globo: e agora twitteiros?”

Deixe um comentário

Você está aqui: Início > Destaques > Brasileirão feminino derruba audiência da Globo: e agora twitteiros?