Nerds em apuros: demissões em massa deflagram crise inédita nos e-sports

Demissões em massa revelam crise no setor milionário; os motivos surpreendem

As coisas não andam nada bem para a confraria dos e-sports. O que antes era considerado a maior aposta no ramo da tecnologia, enfrenta nos últimos meses uma crise jamais experienciada antes. Veículos da imprensa internacional relatam demissões em massa, cortes abruptos nos gastos e falências no setor.

A Copenhagen Flames, uma das ‘orgs’ mais conhecidas do ramo, declarou falência no início do mês, trazendo a constatação de que o fenômeno é um sintoma grave da instabilidade pelo qual esse mercado atravessa.

A febre passou

A falência dos dinamarqueses já vinha se desenhando. Sem recursos para continuar operando, a organização decidiu fechar suas portas no início desse mês. Cortes, como o do orçamento de marketing já indicavam uma tragédia anunciada.

O que impressiona são os valores atribuídos a essas equipes, todas cotadas nas principais bolsas de valores do mundo.

A FaZe Clan, por exemplo, uma das maiores organizações de esportes eletrônicos do mundo, estava avaliada por US$650 milhões em julho de 2022. Hoje, menos de um ano depois, títulos da empresa podem ser negociados por U$0,50. Ainda em funcionamento, estudam reverter a abertura do capital, tendo em vista o franco declínio dos investimentos na área. Somente em fevereiro foi preciso demitir 20% do seu corpo de funcionários.

Como nada é fácil nessa vida, querer fechar o capital não é algo tão simples, que passa por uma tomada de decisão: a companhia precisa apresentar investimentos na casa dos U$60 milhões: valor muito alto para quem assiste de camarote as suas ações despencarem.

Só ladeira abaixo

A má fase é para todos. Outra célebre companhia do setor, a TSM, presença constante em torneios de Counter Strike, Fortnite, Valorant e League of Legends, anunciou que deverá pausar seus investimentos, e possivelmente vender a vaga no LCS, liga norte-americana de LoL.

A crise generalizada afetou diversas organizações: a Tricked Sports encerrou suas atividades, declarando necessidade de direcionar esforços para projetos mais rentáveis. Em março, a Heroic convocou uma reunião com os investidores, alertando sobre os problemas estruturais e pedindo mais dinheiro. A quantia levantada não chegou a um terço, e as coisas seguem em direção à derrocada.

Já a Astralis, outra célebre, viu o valor de suas ações caírem de U$8,80 para U$1,92.

No bolo doido, é possível citar ainda a 100 Thieves, CLG e a The Guard: todas lidando com queda das ações, demissões em massa, fuga dos investidores e das verbas de patrocínio.

O que se pode tirar dessa situação

Para a especialista em investimentos de riscos, Marlene Costa, essa é uma situação que ilustra bem a instabilidade do mercado, e a necessidade de se cuidar dos investimentos: “Muito cuidado com as febres de consumo, e com os valores associados a ideais que não sejam autossustentáveis: games são e sempre foram entretenimento individual, ou voltado para pequenos grupos” reflete a economista.

“Pensar em grandes organizações, com capital aberto e avaliadas em milhões na NASDAQ pode parecer um sonho para todo jogador. Mas é preciso estudar bem a viabilidade a longo prazo dos nossos próprios investimentos. Lamento por quem tenha perdido suas economias com essa onda, e parabéns aos que conseguiram abandonar o barco antes de ver esse Titanic afundar.” Concluiu, bem humoradamente.

Confira as principais notícias relacionadas ao mundo dos E-sports:

Colabore com o Esporte e Mídia. Envie-nos sugestão de pauta em nossos comentários! 💬

Aposta nas melhores casas de apostas do dia 15 de Abril 2024

KTO Sport

Bônus

R$ 200

EsportesdaSorte Sports

Bônus

R$ 300

BCGame Sports

Bônus

R$ 1.080.948

Parimatch Sports

Bônus

R$ 500

Starda Sports

Bônus

R$ 500

Legend Play Sports

Bônus

R$ 1.750

Roobet Sports

Bônus

R$ 80

Royalistplay Sports

Bônus

R$ 500

Leovegas Sport

Bônus

R$ 150

IZZI Sport

Bônus

R$ 500

Bet7k Sports

Bônus

R$ 7.000
Deixe um comentário

Você está aqui: Início > Streaming > Nerds em apuros: demissões em massa deflagram crise inédita nos e-sports