Andar com pé eu vou! Mini terço de Payet virou talismã vascaíno; conheça a história

O craque francês Dimitri Payet carrega um pequeno terço em todos os compromissos do Vasco. O objeto virou um talismã para ele, seus colegas de time e a torcida alvinegra.

O que aconteceu

Dimitri Payet, astro francês do Vasco, carrega consigo um símbolo especial: um mini terço. Essa pequena relíquia religiosa foi presenteada por um torcedor vascaíno nos primeiros dias do jogador no Rio de Janeiro.

A história por trás desse gesto é emocionante. Durante uma visita a um restaurante próximo ao seu hotel, Payet e sua família se depararam com um batizado. O pai da criança, um devoto vascaíno, pediu a bênção do terço para seu filho e, gentilmente, presenteou o jogador com o objeto sagrado.

Desde então, o mini terço se tornou um amuleto para o jogador. Ele o leva para todos os lugares, inclusive nos treinos e jogos. Funcionários do Vasco relatam que é comum vê-lo com o terço nas mãos, demonstrando o carinho e a conexão que ele estabeleceu com o clube e sua torcida.

Payet está em grande fase no Vasco

Além de ser um símbolo de sua ligação com o clube, Payet tem se destacado em campo. Com uma melhora em sua forma física, ele tem sido uma peça fundamental no time, acumulando gols e assistências no Campeonato Carioca.

Sua adaptação ao Brasil também é notável. A família de Payet chegou ao Rio de Janeiro nesta semana para acompanhá-lo nos jogos, mostrando o apoio e a união em torno do jogador.

No próximo domingo (3), às 18h10, é esperado que Payet entre em campo contra a Portuguesa. Apesar de ter ficado fora da estreia da Copa do Brasil devido a uma virose, ele voltou a treinar e está pronto para representar o Vasco mais uma vez.

Acompanhe mais notícias sobre o Vasco no X (antigo Twitter):

Siga @esporteemidiabr no Instagram e Twitter e tenha acesso às nossas novidades através das redes sociais.

notícias

Deixe um comentário

Você está aqui: Início > Futebol > Futebol Brasileiro > Brasileirão Série A > Andar com pé eu vou! Mini terço de Payet virou talismã vascaíno; conheça a história