PSG sem teto? Equipe não chega a um acordo com prefeitura parisiense pelo Parc des Princes

O Paris Saint-Germain enfrenta desafios com a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, sobre a renovação do Parque dos Príncipes. O presidente do clube, Nasser Al-Khelaïfi, busca aumentar a capacidade do estádio, mas esbarra na recusa de Hidalgo em vender. Alternativas incluem o Stade de France ou um novo estádio.

Os problemas parecem não ter fim para o Paris Saint-Germain. Além do caso da renovação de Kylian Mbappé, agora também surge o conflito entre o presidente do clube, Nasser Al-Khelaïfi, e a prefeita de Paris, Anne Hidalgo. Um choque de ideias e interesses sobre os direitos do Parque dos Príncipes é a principal causa de litígio entre as partes.

Remodelação do Estádio

Uma parte do novo projeto da equipe parisiense é remodelar o estádio para aumentar sua capacidade e introduzir melhorias na experiência e no conforto dos torcedores. No entanto, o PSG não é proprietário da construção, que pertence ao Estado de Paris. O Parque dos Príncipes é patrimônio da cidade e o Estado controla as instalações.

Al-Khelaifi paga 2 milhões de euros por ano para que a equipe jogue por lá. No entanto, o dirigente do Qatar deu três meses ao conselho municipal para decidir sobre a venda dos direitos do estádio ao xeque. Para surpresa de Nasser, o Conselho Municipal recusou a oferta e não chegou a um acordo com o dirigente.

Presume-se que o presidente não investirá na renovação do estádio se não for um dos proprietários. Na verdade, ele consideraria a possibilidade de procurar um terreno na capital francesa para construir um novo espaço e concretizar o novo projeto esportivo do clube.

Anne Hidalgo, a pedra no caminho de Al Khelaifi

 

Anne Hidalgo assumiu como prefeita de Paris em 2014, sendo a primeira mulher na história a ocupar o cargo. Desde então, estabeleceu uma relação de trabalho com Al-Khelaifi para lidar com questões relacionadas à permanência do PSG no Parque dos Príncipes.

Dez anos depois, a relação parece ter se deteriorado: visões, ideias e interesses divergentes. A prefeita não atendeu ao pedido do dirigente para vender o estádio. Hidalgo explicou que as instalações pertencem a todos os cidadãos. É um patrimônio da cidade e, por enquanto, ela não está interessada em ceder os direitos do estádio.

Adoro futebol, adoro a minha equipe, mas volto a dizer hoje e de uma vez por todas: o Parc des Princes não será vendido. É o património dos parisienses. O assunto está encerrado”.

explicou

Qual é o plano do Paris Saint-Germain?

 

O principal objetivo do Paris Saint-Germain é aumentar a capacidade de 48.000 para 80.000 espectadores. Além disso, um teto retrátil seria incorporado para proporcionar uma experiência mais confortável aos torcedores e facilitar a realização de jogos em condições meteorológicas adversas. O gramado seria substituído por um híbrido de alta qualidade.

Tudo isso depende da aprovação da Câmara Municipal para a venda do estádio ao xeque nos próximos meses. No entanto, se a venda não se concretizar, o PSG estará em negociações para adquirir o Stade de France, a casa oficial da seleção nacional francesa. A alternativa de construir um novo estádio também está em consideração.

O clube parisiense busca sua própria sede para poder adaptar seu projeto esportivo com perfeição. Os investimentos de vários patrocinadores e as receitas do Qatar proporcionam ao PSG a oportunidade de considerar essas opções.

Acompanhe notícias do esporte no X (antigo Twitter):

Siga @esporteemidiabr no Instagram e Twitter e tenha acesso às nossas novidades através das redes sociais.

notícias

Deixe um comentário

Você está aqui: Início > Futebol > Futebol Europeu > França > Ligue 1 > PSG sem teto? Equipe não chega a um acordo com prefeitura parisiense pelo Parc des Princes