Depois de vender os naming rights, São Paulo fecha reforma do Morumbi

O São Paulo firmou uma parceria com a construtora WTorre para reformar o Morumbi até 2030, ampliando a capacidade para 100 mil pessoas em shows e 85 mil em jogos. Além disso, a WTorre administrará o estádio com participação nas receitas. Além desta parceria, o Tricolor Paulista anunciou recentemente a venda do naming rights do estário, que passará a se chamar MorumBIS em 2024.

Na última sexta-feira, o São Paulo e a construtora WTorre oficializaram um acordo para a reforma e ampliação do Morumbi. A parceria prevê a expansão da capacidade para até 100 mil pessoas em eventos, como shows, e 85 mil espectadores nos dias de jogos.

A expectativa é concluir todas as melhorias até 2030, ano em que o clube celebra seu centenário. Embora a diretoria do clube ainda não tenha anunciado oficialmente, a informação foi confirmada por diversos veículos de notícias, como a Folha de S. Paulo e a ESPN, dentre outras,

Projeto Detalhado e Novos Espaços no Morumbi

No prazo de seis meses, a WTorre deve apresentar à diretoria do São Paulo um projeto detalhado para a reforma, o qual precisará da aprovação do Conselho Deliberativo do clube. Embora o investimento total ainda não tenha sido revelado, a construtora será responsável por elaborar o plano de negócios e captar os recursos necessários.

Além da ampliação da capacidade, o projeto inclui a construção de um anfiteatro com espaço para 20 mil pessoas, ideal para eventos corporativos e palestras, sem prejudicar o gramado. Também está prevista a criação de um estacionamento com capacidade para até 2 mil veículos.

Detalhes do acordo

A WTorre, conhecida por administrar o Allianz Parque, estádio do rival Palmeiras, adotará um modelo de negócios diferenciado com o São Paulo. O clube manterá a gestão do Morumbi, garantindo autonomia na escolha de datas para eventos.

Esta flexibilidade permitirá ao São Paulo, por exemplo, priorizar partidas importantes em detrimento de shows. Além disso, ficou acertado que o clube receberá uma parte da receita gerada por todos os eventos realizados no estádio, fortalecendo ainda mais sua posição financeira.

Diretoria trabalhando: naming rights e mais

Em paralelo a essa parceria, o São Paulo fechou recentemente a venda dos naming rights do Morumbi para a Mondelez, empresa do ramo de alimentos. A partir de janeiro de 2024, o estádio será rebatizado como MorumBIS, em um contrato que gira entre R$ 75 a R$ 90 milhões e tem duração de três anos.

Esta operação, somada ao contrato de exclusividade de R$ 60 milhões com a Live Nation para shows, solidifica o São Paulo não apenas como referência esportiva, mas também como protagonista em acordos estratégicos que moldam o futuro do Morumbi.

Acompanhe notícias do esporte no X (antigo Twitter):

Siga @esporteemidiabr no Instagram e Twitter e tenha acesso às nossas novidades através das redes sociais.

notícias

Deixe um comentário

Você está aqui: Início > Futebol > Futebol Brasileiro > Brasileirão Série A > Depois de vender os naming rights, São Paulo fecha reforma do Morumbi