‘Chato’ e ‘Chiliquento’: Cicinho abre o jogo sobre quem é o jogador mais mala do Brasileirão

No ar com o Arena SBT, Cicinho escolheu Hulk como o jogador mais chato do Brasil pela sua postura dentro e fora de campo. O atacante do Atlético Mineiro acumula muitos cartões amarelos e vermelhos, além de reclamar constantemente das decisões da arbitragem.

Apesar do entra e sai de apresentadores e comentaristas, o Arena SBT segue seu plano, de fazer das noites de segunda palco de debates sem papas na língua sobre a cena do futebol brasileiro. Atualmente sob o comando de Fred Ring, também conta com o presença comentarista Cicinho, o qual participou do quadro “Placa da Discórdia”, sendo convidado a responder perguntas nada discretas sobre o esporte.

Dou-lhe 3

Na ‘Placa da Discórdia’, Cicinho foi convidado a escolher quem seria, na opinião dele, o jogador mais chato do futebol brasileiro na atualidade. Felipe Melo, Luciano e Gabigol eram as opções disponíveis, mas o comentarista optou por escolher um outro nome.

O Gigante Verde

Cicinho não hesitou em indicar Hulk, o craque do Atlético Mineiro, como jogador mais chato do Brasileirão. Segundo ele, a decisão baseou-se em diferentes fatores, sendo um deles o altíssimo volume de cartões amarelos e até mesmo um vermelho, acumulados pelo Gigante.

Além disso, Hulk vem chamando atenção negativamente por estar constantemente contestando e mostrando-se insatisfeito em relação às decisões da arbitragem.

Só quer, só pensa em reclamar

Como forma de ilustrar o panorama, foi lembrada uma situação na qual Hulk reclamou com árbitros depois de uma partida entre Atlético Mineiro e América. Na cabeça dele, o árbitro Wilton Pereira Sampaio teria comemorado a expulsão na sua frente. Sobre isso, Cicinho comentou:

“O Hulk está superando as expectativas. Eu nunca vi, o time dele nunca perde porque eles jogaram mal. Óbvio que não (falaria frente a frente), estou falando aqui na telinha. Reclama demais, tudo ele reclama. Tropeça e pede falta, fala que o juiz tá de perseguição… poxa!“, afirmou.

Não é de hoje

O comentário crítico feito por Cicinho desenha o modus operandi do atleta, sempre culpando a arbitragem, mantendo uma constante teoria de que o Atlético-MG seria uma equipe perseguida. 

Na verdade, essa não é a primeira vez que Cicinho se mostra incomodado com a conduta do ex-capitão do Atlético Mineiro. Em março, ainda com Benja à frente do Arena SBT, o comentarista o definiu como “chiliquento”, veja o vídeo abaixo:

Ex-Capitão

Em meados de julho, o excesso de interpelação com os árbitros chegou a abalar as estruturas internas do time, o que fez Hulk sair do posto de Capitão. Essa foi a declaração dele na época, ao renunciar o posto de líder da equipe. De fato, o que se nota é um exagero ao culpabilizar terceiros, diminuindo para si o peso da própria conduta:

“Chamei o (Rodrigo) Caetano e o Felipão para uma conversa para não ser mais o capitão. Passei como capitão em todos os clubes que passei. Realmente, tivemos essa palestra do comitê de arbitragem e nos foi informado que o capitão tem todo o direito de falar com o árbitro. Durante a palestra, comentamos que não era isso que acontecia. Todas as vezes eu fui ignorado. Devido às circunstâncias, resolvi abrir mão da braçadeira de capitão […] Eu assisto à televisão, vejo os programas e vi que vocês batem muito por que eu tomo cartão. Não é isso que acontece. Eu sempre chego com educação, não sou ouvido e recebo o amarelo. Se vocês pegarem a súmula do jogo, procurem saber por que fui punido, vamos fazer uma análise. Não vou mais tocar nesse assunto. Eu chamei o Felipão e a diretoria para não usar mais a faixa de capitão por que eu estava sendo prejudicado. Agora, deixo para o próximo capitão exercer esse papel de conversar com o árbitro. Vou focar em jogar e nem vou conversar para não ser prejudicado”, falou o camisa 7.

Acompanhe notícias do Esporte no SBT via Twitter:

Siga @esporteemidiabr no Instagram e Twitter e tenha acesso às nossas novidades através das redes sociais.

notícias

Deixe um comentário

Você está aqui: Início > ‘Chato’ e ‘Chiliquento’: Cicinho abre o jogo sobre quem é o jogador mais mala do Brasileirão