Justiça de São Paulo rejeita queixa-crime de Abel Ferreira contra Mauro Cezar

Henrique Neves

Publicado :

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo decidiu rejeitar a solicitação de queixa-crime promovida por Abel Ferreira, treinador do Palmeiras, contra o jornalista Mauro Cezar Pereira, informa o LANCE!.

Segundo o juiz Fernando Augusto Andrade Conceição, da 14º Vara Criminal do Foro da Barra Funda, Mauro não teria ultrapassado os “limites da expressão da opinião do jornalista”.

O magistrado citou o artigo 220 da Carta Magna para embasar o argumento de que Mauro tem “direito pleno ao exercício da manifestação do pensamento, à criação, à expressão e à informação sob qualquer forma, processo ou veículo, sem qualquer restrição”.

“No caso em exame, forçoso reconhecer que a fala do querelado – jornalista Mauro Cezar – não desbordou da crítica, sem ofensa objetiva ou difamatória, expressando apenas mera opinião a propósito da fala do querelante (Abel Ferreira) – que ele tinha visão de colonizador. A mera indicação de que o querelado tem essa visão não ultrapassou os limites da expressão da opinião do jornalista, e tanto que ele mesmo – querelado – em parte de sua fala, concorda com as colocações do querelante a respeito da carência do povo brasileiro em termos educacionais”, diz o juiz, em trecho da sentença.

O magistrado afirmou ainda que Mauro não apontou fato específico que comprovasse que a opinião tivesse sido feita com a intenção de injuriar ou difamar o treinador do Palmeiras.

“Em síntese, a ausência de demonstração de dolo específico de vulnerar a reputação ou a integridade moral do Querelante, implica na ausência de justa causa para a promoção da ação penal privada, que ora se rejeita. Frente a todo o exposto e considerando o que mais dos autos consta, e também por acolher a manifestação ministerial, manifesta-se esse Juízo para rejeitar a queixa-crime”, conclui o juiz Fernando Augusto Andrade Conceição.

Enquanto a assessoria de Abel Ferreira disse que o treinador não pretende se pronunciar, o advogado de Mauro Cezar, João Henrique Chiminazzo, afirmou que o jornalista não teve a intenção de ofender a honra do treinador português, e que a sentença reflete a realidade dos fatos.

Contra Mauro ainda há uma ação na área cível por danos morais com pedido de indenização no valor de R$ 50 mil. Segundo Chiminazzo, a expectativa é que a ação também seja rejeitada.

RELEMBRE O CASO
​Em julho deste ano, Abel comentou sobre um caso de indisciplina de Gabriel Veron, que havia sido flagrado bebendo direto da boca da garrafa em uma festa.

“Eu já lhes disse várias vezes que o jogador brasileiro tecnicamente, de longe, os melhores que eu já joguei. De longe, os melhores que eu já joguei, mas mentalmente têm muito que evoluir, muito, a nível de educação, a nível de formação enquanto homens. Também já o disse aqui, porque eles não têm essa formação, eles as vezes não têm noção do que estão a fazer, noção, noção nenhuma, não tem noção nenhuma e apostar na formação é isto”, avaliou Abel, em um dos trechos de sua entrevista.

Segundo os advogados do técnico, a critica foi feita à “educação de base do Brasil, cuja deficiência é notória”. Ao repercutir a fala, Mauro Cezar afirmou que a opinião de Abel seria diferente se o jogador envolvido em indisciplina fosse estrangeiro, usando o argumento para justificar a fala de “visão de colonizador”.

“Então o [Gabriel] Veron não é o primeiro nem o último a fazer isso, é um garoto. Eu acho que não é uma questão de formação do homem, é natural, um deslumbramento. O cara é jovem, tem uma oportunidade, tá ganhando bem, tem dinheiro, geralmente cercado de amigos e supostos amigos e ele se empolga em uma hora ali. É uma questão de amadurecimento muito mais do que de educação. Agora, eu não acredito que o Abel, como o (Jorge) Jesus falava coisas assim também quando era técnico do Flamengo, falasse isso se treinasse o Grealish no Manchester City, “ah o inglês precisa de formação”, então eu acho que não falariam, por isso que eu acho é visão de colonizador”, afirmou Mauro, na ocasião.

“Eu acho que esses portugueses vêm para cá, acho ótimo, os defendo sempre, já falo aqui não sou apaixonado pelo Jesus, tenho críticas a ele, ao Jorge Jesus, mas assim, não acho legal quando têm esse tipo de conduta e tudo. Eles falam em um tom como se estivéssemos em 1500 novamente, chegaram aqui nas caravelas, não é assim. Eu acho, para mim, esse tipo de declaração, a mim incomoda, porque eu acho que são coisas distintas. Questão educacional é uma, isso aí é o comportamento do rapaz”, completou.

mauro cézar pereira

Aposta nas melhores casas de apostas do dia 21 de Junho 2024

Deixe um comentário

Você está aqui: Início > Profissionais > Justiça de São Paulo rejeita queixa-crime de Abel Ferreira contra Mauro Cezar